domingo, 12 de junho de 2011

Sobre-Viver #2

Somos mais fortes num locais do que noutros. Tudo depende de quem nos rodeia e nos apoia.
É estranho escrever isto, mas ainda será mais estranho para quem lê isto e nunca sentiu. Em certa parte custa-me, mas tenho de começar a dar vida a estas palavras que ficam mortas em mim, por não agir. Não posso permanecer nos locais que me matam e tiram a cor que há em mim e nos meus dias. Sei o que sou. Sei o que vale. E sei os sítios que me dão vida. Se este local mata-me, obrigatoriamente terei de passar o menos tempo possível aqui. Assim será. Não custa nada, quando nada liga.

7 comentários:

Joana disse...

Sinto o mesmo tantas vezes. Mas por vezes sentimo-nos impotentes porque queremos mas não sabemos como mudar a nossa vida.

Shell disse...

Eu sei bem o que isso é mas felizmente não é assim tão "dramático" porque consigo ter o meu lar maravilhoso e este outro lugar onde não estou maravilhosamente mas consigo estar para cumprir o que tenho que cumprir :) por isso, o mais importante de tudo é sentires-te bem! * beijinho

Shiver disse...

Oi Pupa.

Mudei de casa e de cidade no final do ano passado porque me sentia sufocado e limitado na cidade onde nasci e onde sempre vivi,por isso acho que percebo um pouco o que sentes e queres dizer.
Faz o que for melhor para ti,mesmo que isso exija alguns sacrifícios.

beijinhos

joana disse...

Eu sei bem do que falas. Aliás, não podia ter lido este texto em melhor dia.

Ana FVP disse...

Como eu entendo o que queres dizer...

O meu reflexo disse...

Bem verdade!

André disse...

Não seria o ideal ser forte independentemente do sítio onde estamos? ou de quem nos rodeia?
Talvez a necessidade de não ficar nesses sítios seja a vontade de procurarmos um outro rumo para nós, não necessariamente geográfico?